Audi Sport Quattro – Grupo B

Pois é pessoal, eu falei que iria postar aqui um pouco a respeito da história do Audi Sport Quattro, mas me deu uma preguiça… Quem quiser ler a história toda pode acessar este artigo do Best Cars Web Site que eu redigi junto com o amigo Fabrício Samahá em 2001 (eita, faz tempo…)

Audi Sport Quattro Group B, ZERO KM, de Hans Dahlbäck

Audi Sport Quattro Group B, ZERO KM, de Hans Dahlbäck (Dahlbäck Racing)

Mas resumindo, o carro surgiu em fevereiro de 1984 e era uma evolução do Ur-Quattro de 1980: o motor de 5 cilindros agora apresentava um bloco em alumínio,  resultando em uma redução de peso considerável: quase 23 quilos.

Pode parecer pouco, mas é importante lembrar que até então todos os Audis tinham o motor praticamente “pendurado” antes do eixo dianteiro. Para complicar ainda mais, os Audis de produção tinham o bloco em ferro fundido, bem mais pesado.

A adoção do bloco em alumínio no Sport Quattro ajudava a diminuir o momento polar de inércia, amenizando a característica subesterçante do Ur-Quattro original.

Audi Ur-Quattro de 1980: 61% do peso concentrado no eixo dianteiro

Audi Ur-Quattro de 1980: 61% do peso concentrado no eixo dianteiro.

A teoria é simples: quanto maior o momento polar de inércia, maior será a resistência à mudança de direção. A redução de peso na extremidade dianteira tornava o Sport Quattro um carro com respostas mais rápidas aos comandos do piloto.

Outra alteração que ajudou consideravelmente a melhorar o comportamento dinâmico (e a agilidade em switchbacks) do carro foi a redução do entreeixos em 32 centímetros.  A distribuição de peso ficava muito melhor, com 55% do peso no eixo dianteiro e 45% no eixo traseiro.

Ainda não era ideal, mas já melhorava um bocado em relação ao Ur-Quattro: este apresentava 61% do peso no eixo dianteiro e 39% no eixo traseiro.

O entreeixos do Sport Quattro era 32 centímetros mais curto que o do Ur-Quattro

O entreeixos do Sport Quattro era 32 centímetros mais curto que o do Ur-Quattro

O cabeçote permanecia o de 20 válvulas e fluxo cruzado (4 válvulas por cilindro), desenvolvido pelo respeitado Fritz Indra. A turbina KKK K26 era substituída por uma maior, KKK K27, operando com os mesmos 1,2 bar de pressão, mas a taxa de compressão subia de 7:1 para 8:1.  Na versão de rua era o bastante para gerar 300 cavalos e 33,5 m.kgf de torque, com velocidade máxima de 250 Km/h (muito interessante, considerando a aerodinâmica de tijolo do carro).

A carroceria contava com painéis diversos em fibra de carbono, fibra de vidro e alumínio, montadas em cima do monobloco original de aço estampado, resultando em uma redução de peso superior a 300kg. As rodas eram Ronal de aro 15 com uma tala enorme de 9 polegadas, calçadas em enormes pneus Michelin 235/50 VR 15.

O Sport Quattro pesava 1298kg: 714 kg no eixo dianteiro e 584 kg no traseiro.

O Sport Quattro pesava 1298kg: 714 kg no eixo dianteiro e 584 kg no traseiro.

Foram fabricadas apenas 214 unidades desse monstro, apenas para fins de homologação no Grupo B. 164 foram parar nas mãos de felizes consumidores, 19 ficaram dentro da Audi como carros de teste, apenas 20 foram para os ralis, 5 serviram como doadores de peças e os 6 Sport Quattro restantes estão com funcionários da Audi ou em coleções particulares.

Consta que os 5 que serviriam como doadores de peças nunca doaram peça nenhuma e foram vendidos ao público em 1988. Hans Dahlbäck, (da Dahlbäck Racing) tem dois deles.

Os "brinquedos" de Hans Dahlback: um Sport Quattro ao centro e um Ur-Quattro no segundo elevador

Os "brinquedos" de Hans Dahlback: um Sport Quattro ao centro e um Ur-Quattro no segundo elevador

Infelizmente o Grupo B de rali acabou, graças aos graves acidentes envolvendo estes carros maravilhosos (Ford RS 2000, Peugeot 205 Turbo, entre outros). E desta forma encerrou-se um dos capítulos mais interessantes da história do rali em todo o mundo.

6 Comentários

Arquivado em Geral

6 Respostas para “Audi Sport Quattro – Grupo B

  1. Maravilha, carro lendário, mas tão poucos feitos; exclusividade pouca é bobagem

  2. Magnus

    Se ganhasse um carro a escolha da audi, q fosse QQUER carro, era ele….

    puta coisa show.

  3. Quarteto

    Ô Bitu, o bloco do motor desses carros não era daquela liga de magnésio usada nos porsches tb? Fora q eu sempre achei q essas rodas do modelo de rua eram Speedline, igual da versão de corrida. Além da fibra de carbono, eles usaram muito kevlar tb….esse carro é extremamente foda….conseguia, com monobloco, bater de frente e ganhar dos outros, q usavam chassis tubular.

  4. Steve McQueen

    Audi Sport Quattro… esqueceu de comentar da versão do S1 que a Audi fez, com 1000 cavalos… diziam os pilotos ser “indirigível”

    Bitu, olha só esse brinquedo do Paulo Trevisan:

    Fusca 8 cilindros boxer.

  5. Pingback: Fique por dentro Audi » Blog Archive » Audi Sport Quattro - Grupo B « Felipe Bitu

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s